segunda-feira, 30 de março de 2009

»Sete - Luxúria«

Quem gemer ao pé do seu ouvido?

Quem vai lamber tudo o que você quis e te mostrou que a língua é um órgão tão gostoso? Me diz como você se sentiu da PRIMEIRA VEZ? Você lembra, eu sei. Você vai lembrar de tudo.
Quem vai puxar seu cabelo pela nuca, hein? Fala logo pra mim do fogo que queimava enquanto o lençol dessarrumava. Como era sua boca em torno da minha? Como é sentir a respiração ofegante junto ao rosto? Pernas, barriga, seios, braços, mãos. Isso é muito pouco.

Nunca sentir-se satisfeito: gula
Querer conseguir melhores: vaidade
Desejo incontrolável: inveja
A dor da negação: ira
A calmaria do após: preguiça
Nossa possessividade: avareza

LUXÚRIA.

Vem e me diz se isso tudo não passa de sonho, tal qual o que me peguei acordado, entrelaçado pelas coxas de outra, sugado pelos lábios de qualquer uma e cheio daquela ânsia latejante. Se mostra flamejante; salta, brilha e grita! Grite!

Grite, pois ela está aí.
E aqui também.

Será que você encontrou a luxúria? Ela se esconde muito bem...

3 comentários:

Maíra Andrade disse...

Sim ela se esconde bem (ou não)rsrs
bacana teu blog Fred!!
a melhor é a descrição da ira e da gula rs =D

Maíra Andrade disse...

vi teu comentário rs
(fotobia somos 2)
o saco é aluno não poder ficar com óculos ¬¬
sempre deu problema -.-'
ps. o post ficou meio estranho liga não eu penso partes e esqueço de escrever rs

João Pedro disse...

bom... muiiito bom ^^